Saber

Polícia civil conclui investigação e esclarece autoria da morte de quatro pessoas e incêndio à residência em São Domingos

Por Redação Quilombo Mais em 13/07/2021 às 21:37:12

Na tarde de ontem (segunda-feira, 12), a Polícia Civil de Santa Catarina (PCSC), através da Divisão de Investigação Criminal de Fronteira (DIC-Fron) de São Lourenço do Oeste/SC, concluiu as investigações sobre as quatro mortes e incêndio à residência ocorridos no início da manhã da data 08/05/2021, na Rua Valdir Humberto Lodi, nº. 7.925, no bairro Esperança, na cidade de São Domingos/SC.
Na ocasião, foram ceifadas, por ferimentos com arma branca (faca) na altura do pescoço, as vidas de toda uma família (duas crianças e dois adultos - um menino e uma menina, com 11 e 10 anos de idade, e dois adultos, um homem e uma mulher, de 34 e 31 anos), e, em seguida, ateando-se fogo à residência com o intuito de apagar qualquer indício que pudesse levar à descoberta da autoria de um crime tão cruel e covarde.
Ocorre que, a partir dos laudos do Instituto Médico Legal (IML) do Núcleo Regional de Perícias de São Lourenço do Oeste/SC, descobriu-se que as lesões foram produzidas em organismo vivo, ou seja, que as mortes não foram decorrentes do fogo que consumiu toda a residência onde o casal morava com as duas crianças, mas sim um crime de sangue.
Os trabalhos investigativos imediatos, numa ação de integração junto ao Instituto Geral de Perícias (IGP) e Instituto Médico Legal (IML), possibilitou a colheita de provas que, seis dias após os fatos (ou seja, em 14/05/2021), resultou na prisão temporária de um homem de 31 anos de idade (que era amigo e frequentava a casa da família que veio a matar), na cidade de Ipuaçu/SC, àquela altura investigado como autor dos crimes.
Por se tratar de crime hediondo (especialmente grave), a prisão temporária foi, num primeiro momento, decretada pelo prazo de 30 (trinta) dias, só que, em seguida, prorrogada por igual período (ou seja, mais 30 dias), dado que comprovada a extrema necessidade.
Durante todo esse tempo, a Polícia Civil seguiu desempenhando fielmente seu papel na condução das investigações, até que, no último sábado (10), o homem confessou a autoria dos crimes: matou as duas crianças, os dois adultos, e em seguida ateou fogo na residência. Alegou a motivação como sendo o uso excessivo de drogas (cocaína) e que nada se lembrava das mortes.
O homem continua preso no Presídio Regional de Xanxerê/SC (onde aportou em 14/05/2021).
A segurança pública, dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio.

Policia Civil

Fonte: Policia Civil

Comunicar erro
MVA

Comentários

nespolo 3